O Podológo , o Massagista ou o Tarado do Metrô

Pencil

Estava eu procurando uma Imagem para o texto anterior e vi uma que me chamou a atenção.
que eram fotos de pés femininos ( tenho fetiche por pés femininos ) o que tinha a ver fotos de pés e lindos com a busca de imagem " acento preferencial ", creio que nenhuma, como um bom podolatra ( nome dado a quem bla bla bla ) fui ver a foto melhor pois ela estava bem pequenina e li o texto que veio com ela, que é muito bom. então divido aqui com vocês o texto e a foto.




"Viajar de metrô é tão agradável, não se pega engarrafamentos, ar condiconado no máximo. Super confortável .Todas as vezes que viajo de metrô, procuro aqueles bancos de dois lugares. Prefiro esses e normalmente não sento colada à janela do vagão, porque odeio pegar uns” insones” que resolvem recuperar a noite mal dormida e vêm escorregando em nossa direção.

Alguns homens, então, além de dormirem, parecem que têm um caminhão entre as pernas (desculpe-me os amiGOs) e vão nos empurrando...empurrando... reduzindo consideravelmente nosso espaço. Eu já me peguei dando muitos “chega pra lá” nessas pessoas “mal dormidas”.

Mas, continuando... hoje, eu não consegui lugar nesses bancos e acabei sentando naqueles maiores, no final do vagão, onde as pessoas ficam de frente umas para as outras.

Depos de devidamente acomodada, abri minha bolsa, peguei meu livro(ando sempre com um na bolsa) e me acomodei. Como ando ligada em tudo que acontece a minha volta, de vez em quando gosto de conferir o ambiente. Coisa de gente curiosa, eu sei.

E numa desssas conferidas notei que um passageiro,de camisa azulão,com uma pasta sobre as pernas, sentado no banco em frente ao meu, não parava de olhar para os meus pés. Fiquei “encafifada”, pensando:” o que será que tenho nos pés?” “Limpos eu sei que estão, unhas pintadas, nada escandaloso...esmalte clarinho, unha francesinha”.

Rapidamente, me veio à cabeça, a idéia dele ter visto alguma coisa embaixo do banco, quem sabe? Aí, fiz um esforço e tentei desbravar o fundo do banco com meus pés, empurrando-os o máximo possível , mas não achei nada.

Voltei a ler, mas aquilo não saía da minha cabeça, sem contar que já estava com os pés dormentes. E todas as vezes que eu levantava os olhos, lá estava o “apreciador de pés” de plantão. Cheguei a pensar que ele poderia ser podólogo, pedicure ou quem sabe um massagista. (Existe uma massagem nos pés que se chama reflexologia que é um espetáculo.Eu ganhei uma vez, de presente do meu filho mais velho, um vale para uma massagem dessas e adorei.Como relaxa...).

Hoje em dia, as pesssoas andam tão estranhas...li hoje que um indiano entrou para o Guiness por causa o pêlo da sua orelha que chega a 13, 2 cm, imaginem... mas, voltando ao assunto, a verdade é que me baixou uma paranóia e viajei mesmo na imaginação, pensando que poderia haver uma falta de energia e o tal homem puxar os meus pés. Mas logo voltei à realidade, respirei fundo e controlei a paranóia .

Fiquei o máximo de tempo que pude resistir com os pés no fundo do banco e notei que ele desviou o olhar para o lado oposto onde onde estava sentada uma outra passageira.

“Humm, o que será?”, me perguntei. Resolvi esticar meu pescoço, sem nenhuma cerimônia e observei que, coincidentemente, essa outra passageira também estava com os pés à mostra, numa sandália também comum como a minha, nada “chamativa”, adjetivo preferido de uma de minhas amigas.

A essa altura, minha irritação já podia se sentida por qualquer um. Uma senhora, de uns 70 anos, que estava ao meu lado colocou a mão, em concha, como se fosse me contar um segredo e disparou: “não ligue para esse trem bobo, não...” (como já morei uma época da minha vida em Barbacena, conheço muito bem os vocábulos mineiros e logo deduzi que ela estava se referindo ao nada discreto passageiro e não ao trem do Metrô, lógico).

E ela continuou :”ele está olhando para os seus pés”.”Isso é tara por pé de mulher”. Pé de que?”, perguntei assustada. Eu juro que entendi pé-de- moleque...o som saiu meio distorcido.

“Pé de mulher”, repetiu a senhora. “Há homens que não podem ver pés femininos expostos, ficam loucos.Isso é tara”.”Esse aí tem mesmo cara de tarado, afirmou categoricamente”, com aquela voz de quem está falando “entre dentes”.

“Ahh, só me faltava essa. Então vamos ter que andar de meias no metrô ?” respondi com a voz mais alterada, propositalmente, para que o “podólogo”, “pedicure” ou mesmo o “tarado”- como classificou a experiente senhora no assunto, se mancasse. Ele deu uma disfarçada, mexeu numa bolsa e notei que começou a se preparar para saltar do metrô.

E foi o que aconteceu: quando o metrô chegou à estação da Glória, a figura desceu, para nossa tranqüilidade. O restinho da viagem, até à Cinelândia, meu destino, transcorreu com um agradável bate-papo com a nova amiga que fiz hoje. Ela tinha uma experiência nesses assuntos...

Chegando ao trabalho, fui recebida pelo meu fiel escudeiro, Ednaldo, pessoa maravilhosa, simples, homem do povo, sofrido, mas de uma sabedoria, de uma sinceridade...

Certa vez cheguei a minha sala e ele me fez uma saudação : “Bom Dia, Dona Lau, vi a senhora de longe. Parecia um” biquinho de lacre”. Eu agradeci o comentário e saí da sala correndo para dar uma aliviada na cor do baton.

Diante de tamanha sinceridade, fiquei curiosa em saber a opinião dele sobre o que havia me incomodado no metrô.

“Ednaldo, tem alguma coisa errada com os meus pés?”, perguntei.

Ele, prontamente, respondeu: ”nãoaaao. 1, 2,3,4 ,5....10 dedos, tudo no lugar”. ”Tem não”.

Não satisfeita quis ainda saber mais: Você gosta dos pés das mulheres, Ednaldo?

“Euuuu, que idéia, D. Lau”. “Eu tenho os meus, pra que vou querer os dos outros”.

Ufff, respirei aliviada e comecei a trabalhar.
Beijos
Lau

E.T. Na volta para casa, não vim de metrô e levei quase uma hora para chegar ao meu santo lar. Vida de cidade grande,abandonada, sem PM e guarda municipal para organizar o trânsito. foto: Internet

N.A: "biquinho de lacre "é uma espécie de pássaro que tem o bico vermelho."

Texto de Lau Milesi
Eu Adorei o texto, super engraçado


Gostou? Não seja pão duro deixe um comentário


2 Comentários

Joyce disse...

Amigo, fala a verdade.....
Vc é o cara do metrô?
Rsrsrs
te adoro!!!!

So DI Bobera disse...

Rsrsrsrs, Que isso Joyce, sou discreto quando olho os pesinho dentro do metro esse cara ai é cara de pau, assim não consigo ser.

Saudades...

faça seu comentário